Buscar
  • Dra. Roberta França

SEXO NA VELHICE


Falar sobre sexo na velhice ainda é motivo de vergonha e constrangimento para muitos, o que dificulta a busca de informação e a superação de obstáculos para ter uma vida sexual ativa na terceira idade.

A sociedade ainda vê a sexualidade na velhice como um tabu, algo reservado aos mais jovens. A exigência de que os homens não podem falhar e que as mulheres têm de ter beleza e juventude como fontes únicas de atratividade levam os idosos a acreditarem que seu tempo já passou. É comum os próprios idosos se discriminarem em relação à aparência. "Já to velho e enrugado... já fui bonita... já tive um corpão...” são frases ditas frequentemente por homens e mulheres mais velhos.

Esses preconceitos fazem com que o sexo na terceira idade soe inadequado, estranho e até errado! Mas é possível ter uma vida sexual de qualidade na velhice. Hoje a sexualidade não está ligada apenas à função reprodutiva, mas como fonte de prazer e de realização em todas as idades. A redução da atividade sexual é notória entre os idosos, principalmente entre as mulheres, muitas não param de fazer sexo porque desistem, mas, sim, porque enviúvam ou se separam e não voltam a se relacionar, principalmente por se acharem “velhas demais para essas coisas”.

Há limitações sim para se viver plenamente a sexualidade na velhice, mas é preciso tentar superá-las ou minimizá-las. Alguns obstáculos físicos e emocionais mais comuns: - Perda de libido, que pode ocorrer devido à diminuição da produção hormonal masculina e feminina. - Os homens podem demorar mais para se excitar, ter ereção e orgasmo. A dificuldade de ter e manter a ereção pode levar à falta de vontade de transar - As mulheres sofrem com a diminuição da elasticidade, o ressecamento vaginal e sente dor durante a penetração - Transtornos de ansiedade ou depressão também causam queda da libido - problemas osteoarticulares como a artrite levam à dificuldades para se movimentar devido à dor

Porem o sexo na terceira idade pode ser libertador e prazeroso! Já não há preocupação com gravidez indesejada, já não há necessidade de “provar nada a ninguém” com na juventude, não há porque ter pressa! Pode-se praticar sexo de várias maneiras, pois sexualidade não é sinônimo de penetração. Um carinho, um beijo, uma dança mostra que a sensualidade e a sexualidade estão presentes em toda e qualquer situação...

Claro que isso depende de como se encara a velhice e as modificações que ela causa em todos os aspectos da vida. Saber lidar com as limitações de forma leve e criativa fazem toda a diferença no sexo e na vida.

Muita gente só conhece sua sexualidade plena na velhice... Se libertar de padrões e crenças abrindo-se para o novo dá muito prazer físico e emocional. E claro, sexo em qualquer idade exige proteção!!!!!!

É preciso alertar para o aumento no índice de doenças sexualmente transmissíveis em idosos principalmente o HIV. Os mais velhos raramente usam preservativos, não foram acostumados a usar nem ensinados. Mas as doenças estão aí e não ligam pra idade! Usar camisinha é fundamental para a prevenção das doenças sexualmente transmissíveis. Evite também comportamento de riscos.

Tendo esses cuidados agora é só se permitir viver! Namore! Dance! Transe! Afinal ser feliz nunca teve prazo de validade!

Dra Roberta França Medicina Geriátrica De Corpo e Alma Integrando ciências alinhamento e constelação sistêmica dinâmica www.cantinhodageriatria.com.br

#RobertaFrança #cantinhodageriatria

0 visualização

CANTINHO DA GERIATRIA

Textos e artigos da Dra. Roberta França

SIGA NAS REDES

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Blogger Icon

SIGA O CANTINHO NO FACEBOOK

Cantinho da Geriatria 2020 © - Todos os Direitos Reservados

desenvolvido por Toco Me Voy