Buscar
  • Christina Borges

QUANDO CHEGA A HORA DE PASSAR O BASTÃO


Quando chega a hora de passar o bastão

A vida vai passando...

Algumas vezes achamos que muito devagar. Em outros momentos parece que os dias, os meses, os anos voaram! E quando você se dá conta, a velhice chegou! E se depara com outras rugas, fios de cabelo branco, um novo remédio, a dificuldade para dar uma corridinha pra pegar o ônibus, um cansaço pra brincar com o neto.

Mas envelhecer não quer dizer colecionar limitações. Pelo contrário, a cada década a expectativa de vida aumenta, com possibilidades de se envelhecer com mais qualidade. Especialmente quando se quer, quando se busca viver assim, tomando as rédeas da vida nas mãos e fazendo escolhas conscientes.

E quando você se sente bem, com disposição, saúde adequada a sua idade, não vislumbra a possibilidade de pedir ajuda, auxílio, ou mesmo a opinião de um filho ou familiar mais próximo para resolver as questões cotidianas.

Entretanto, em alguns momentos, solicitar ou mesmo aceitar a ajuda, de alguém próximo, pode facilitar a vida! Mas como é difícil, aceitar uma companhia para ir até o banco, para trazer uma sacola pesada do mercado, para acompanhar numa consulta médica. Parece que aceitar ajuda significa delegar a vida para outra pessoa. Não tomar mais decisões. Ficar alheio diante das decisões dos filhos ou cônjuge. Não ter mais importância.

Nada disso! Aceitar ajuda não significa perder a autonomia ou a gerência da própria vida. Aceitar ajuda é reconhecer que você tem limites. Que não precisa dar conta de tudo.

Que em algumas situações precisamos passar o bastão para alguém correr na frente e, como uma equipe de revezamento, todos saírem ganhando com isso!

Com o passar do tempo precisamos ajustar o foco. Como um fotógrafo que tenta encontrar a melhor definição daquela imagem. Ajustar o foco para o momento, para a etapa da vida, para ganhar qualidade na vida. Para poder fazer coisas que não se pode antes, para usufruir dos anos vividos e poder aproveitar melhor o que se tem pela frente.

Portanto, se um filho, a esposa, um amigo se oferece para ajudar a resolver uma determinada coisa que já não está tão fácil ou simples pra você, aceite ajuda! Delegue.

Dê responsabilidade. Você pode sair ganhando e não perdendo como pode parecer. Ganhando mais tempo para fazer outras coisas que são do seu interesse, ou prazerosas, ou ainda um desafio para o corpo ou para o cérebro.

Por Christina Borges

Psicóloga/ Mestre em Psicologia Clínica/Neurociências - Neuropsicologia

Cérebro Ativo – https: //www.facebook.com/cerebroativopsi (21)98581.2121

www.cantinhodageriatria.com.br


7 visualizações

CANTINHO DA GERIATRIA

Textos e artigos da Dra. Roberta França

SIGA NAS REDES

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Blogger Icon

SIGA O CANTINHO NO FACEBOOK

Cantinho da Geriatria 2020 © - Todos os Direitos Reservados

desenvolvido por Toco Me Voy