Buscar
  • Christina Borges

Aprendendo com Novos Neurônios no Cérebro


Novos neurônios no cérebro?

Quando nascemos, o nosso corpo teoricamente está pronto, com todos os órgãos necessários para uma vida saudável. E até pouco tempo atrás, também era o que se pensava com relação ao nosso cérebro. Acreditava-se que se nascia com todos os neurônios, - que são as células de processamento da informação do sistema nervoso, necessários para todas as fases do desenvolvimento do ser humano. Só que ao longo da vida, os neurônios vão “morrendo” e não existe reposição. Portanto, o cérebro estava com os dias contados, a partir do nosso nascimento e sem possibilidade de nenhuma estratégia como, por exemplo: um marca-passo para o coração, ou a possibilidade de um transplante de rim ou fígado. A morte dos neurônios significa comprometimento da memória, da capacidade de aprender coisas novas, de esquecimentos que comprometem o cotidiano e a qualidade de vida.

Mas com o avanço dos estudos e novas pesquisas, hoje se sabe que nascem novos neurônios no cérebro adulto, o tempo todo. E que esses neurônios surgem no hipocampo - que é uma estrutura cerebral fundamental para a formação de novas memórias. Esse “nascimento”, portanto, é essencial para a aprendizagem. E todos nós estamos aprendendo diariamente informações novas, como: nomes de pessoas, lugares, números de telefone, endereços, receitas, usar um eletrodoméstico, ou mesmo uma música que vamos querer lembrar num futuro próximo ou não. Mas para isso, temos que aproveitar esses novos neurônios e fazer bom uso deles. O cérebro está preparado para reagir ao que é inesperado ou inusitado, como informações inéditas que estão ao nosso redor.

Aproveite! Faça um caminho diferente para ir ao banco, ou mercado, cabeleireiro. Saía da rotina, do automático - dê trabalho ao seu cérebro!

E se convença de que envelhecimento não está, necessariamente, atrelado a esquecimento ou incapacidade de aprender coisas novas. Pelo contrário, quanto mais somos estimulados, mais chance de melhorar as funções cognitivas - como a atenção e a memória. Portanto somos capazes de nos mantermos bem e com eficiência mesmo numa fase mais avançada da vida, quando buscamos fazer atividades que nos estimulem a aprender coisas novas e a desenvolver a capacidade lidar com desafios. Com isso podemos compensar algumas perdas que o envelhecimento possa trazer.

Então o desafio dessa vez vai ser: ouvir uma música, que te encante! Pode ser nova ou mesmo uma que você já conhece, mas que não sabe a letra. E se esforçar para aprender e cantarolar até que possa cantar sem ter que ler. Para aqueles que não têm o mínimo dom musical, pode ser: aprender uma poesia de algum escritor que você goste! Ou ainda, para os mais extrovertidos: aprender uma piada nova e contar para a família ou amigos...

Enfim, procurar no seu dia sempre ter contato com algo novo, que seja um desafio para o cérebro. Em especial, experiências fora da rotina, que produzem novos padrões de atividades nos circuitos cerebrais. Assim, podemos afastar os esquecimentos e quem sabe, as doenças que comprometem a memória?

Christina Borges – Psicóloga/Neuropsicologia

Mestre em Psicologia Clínica/Neurociências

Cérebro Ativo – https: //www.facebook.com/cerebroativopsi

(21)98581.2121

www.cantinhodageriatria.com.br

#ChristinaBorges

28 visualizações

CANTINHO DA GERIATRIA

Textos e artigos da Dra. Roberta França

SIGA NAS REDES

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Blogger Icon

SIGA O CANTINHO NO FACEBOOK

Cantinho da Geriatria 2020 © - Todos os Direitos Reservados

desenvolvido por Toco Me Voy