Buscar
  • Dra Roberta França

EXERCÍCIO FÍSICO, QUALIDADE DE VIDA E IDOSOS - PROVITAL


Hoje nossa postagem vem escrita de uma forma um pouco diferente das anteriores. A programação era falar sobre fisioterapia e Alzheimer, uma doença tão temida quanto o Parkinson, como citado anteriormente. Mas queremos aproveitar a caminhada que aconteceu neste domingo (A PRIMEIRA CAMINHADA DA TERCEIRA IDADE) para falar sobre EXERCÍCIO FÍSICO e QUALIDADE DE VIDA de IDOSOS. Falaremos brevemente sobre os resultados de alguns estudos que investigaram o efeito do exercício na qualidade de vida de idosos, que fizeram parte do artigo que eu, Bianca, publiquei em 2014: Impact of physical exercise on quality of life of older adults with depression or Alzheimer’s disease: a systematic review.

Especificamente em idosos, o aumento da incidência de doenças como a depressão e a demência pode contribuir para a piora da qualidade de vida. Vale citar que a qualidade de vida envolve tanto aspectos físicos, quanto aspectos mentais. Diversos estudos científicos apontaram que uma das intervenções de melhor custo benefício para a melhora na qualidade de vida do idoso é a prática de exercícios. Além de benefícios cardiovasculares e musculoesqueléticos, a prática de exercício físico regular promove um aumento no desempenho das funções cognitivas, diminuição de sintomas depressivos, maior auto eficácia, controle motor, resultando em melhorias na capacidade funcional e qualidade de vida. Para vocês terem uma ideia de como esse assunto é importante, e ao mesmo tempo tão escasso de trabalhos de boa qualidade, milhares de artigos são publicados falando de exercício físico para idosos e sobre depressão. Mas, apenas 36 artigos falavam de doença de Alzheimer e qualidade de vida. Logo, vou resumir alguns discutidos no meu artigo.

Esses estudos trabalharam com tipos de prescrição de exercícios heterogêneos, que correspondiam à caminhada, como exercício aeróbico, exercícios de força, tai chi chuan, meditação, exercício de equilíbrio e flexibilidade. Diferentes tipos de exercício físico foram suficientes para promover melhoras significativas nos aspectos de qualidade de vida em idosos com depressão. Entretanto, o exercício físico representa uma intervenção não-farmacológica benéfica para alguns casos de depressão, assim como, um importante aliado na prevenção de doenças crônicas. Além disso, representa uma intervenção eficaz e de baixo custo que complementa o tratamento farmacológico de idosos com depressão e doença de Alzheimer.

É claro que o efeito do exercício físico em idosos vem sendo constantemente estudado e há todo o momento surgem novos artigos trazendo as últimas atualizações nas pesquisas realizadas em todo o mundo. No entanto, o que eu gostaria de passar para vocês é sobre a importância da prática de exercício. O equilíbrio entre saúde mental e física reflete diretamente na nossa qualidade de vida. Por isso, quero reforçar essa informação de forma mais científica para aqueles que já praticam exercício e incentivar aqueles que ainda não deram o primeiro passo! Parabéns para aqueles que participaram da Primeira Caminhada da Terceira Idade. Continuem fazendo deste, um hábito para toda a vida. E para aqueles que ainda não começaram, junte-se a nós! Faça parte deste time, que cuida da saúde do corpo e da mente, para ter uma vida mais saudável e feliz!

Fonte: Impact of physical exercise on quality of life of older adults with depression or Alzheimer’s disease: a systematic review. Revista: Trends in Psychiatry and Psychotherapy. Tavares, Bianca Boscarino. 2014.


0 visualização

CANTINHO DA GERIATRIA

Textos e artigos da Dra. Roberta França

SIGA NAS REDES

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Blogger Icon

SIGA O CANTINHO NO FACEBOOK

Cantinho da Geriatria 2020 © - Todos os Direitos Reservados

desenvolvido por Toco Me Voy